terça-feira, 25 de junho de 2019

Ministério Público Eleitoral pede cassação do prefeito e vice de Upanema

O Ministério Público Eleitoral emitiu parecer favorável à cassação do atual prefeito de Upanema, Luiz Jairo (PR), e do vice-prefeito, Anizio Junior (PHS).

O parecer é referente a uma ação movida pela coligação adversária, onde acusa o prefeito e o seu chefe de gabinete de ter oferecido vantagens ilícitas em troca de votos na campanha de 2016, uma eleitora gravou a “negociação”.

No parecer, o Promotor Eleitoral utiliza como base todo um contexto processual, além de um laudo pericial emitido pela Polícia Federal. Em seu parecer, o membro do MPE destaca; “que não foram encontradas descontinuidades ou qualquer elemento indicativo da existência de edição de caráter fraudulento no áudio questionado”. Em outra parte do seu parecer, o promotor eleitoral destaca; "que o áudio contendo diálogos impróprios para uma autoridade pública em campanha por reeleição efetivamente existiu".



Em 2016, Luiz Jairo era candidato a reeleição para a Prefeitura de Upanema, e ganhou com uma pequena diferença de 161 votos.

O processo deve ser julgado pelo juiz da 49ª zona eleitoral, Edino Jales, que irá definir uma sentença. 





8 comentários:

Anônimo disse...

Kkkkk pois diga, coisinha quer ser candidato a vereador pela oposição num digo nada. Pois a esposa tem que entregar o cargo né, ou o prefeito exonera. Babado tô morta.

Anônimo disse...

Mané bola voltou kkkkkk

Anônimo disse...

O barco vai afundar cheio de funcionário falando mal do prefeito

Anônimo disse...

A oposição precisa de um Norte. Se os vereadores estivessem unidos o negócio séria diferente.

Anônimo disse...

ANATALHO VEREADOR 2020 JA ,PIOR QUE TA NÃO FICA OU FICA ? SEI LÁ ,KKKKKKKKKKKKK

Anônimo disse...

Vamo derrotar o canidato do prefeito

Anônimo disse...

Se o MP também investigace a distribuição de combustível no período eleitoral, iria encontrar muitos casos, principalmente em Mossoró. Conheço quem distribuía as ordens e conheço muitos que receberam.

Anônimo disse...

E se fizessem um levantamento de património da família do prefeito, antes e depois da prefeitura?